sábado, 24 de dezembro de 2011

So this is Christmas

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Precisa-se valorizar a Educação.

AULA DE MATEMÁTICA

Vamos brincar de professor de matemática. Alguns problemas para você resolver.
Problema nº 1 - Um professor trabalha 5 horas diárias, 5 salas com 40 alunos cada. Quantos alunos ele atenderá por dia ? (Resposta: 200 alunos/dia).
Se considerarmos 22 dias úteis, quantos alunos ele atenderá por mês ? (Resposta: 4.400 alunos por mês).
Consideremos que nenhum aluno faltou (hahaha) e que cada um deles resolveu pagar ao professor com o dinheiro da pipoca do lanche: 0,80 centavos, diários. Quanto é a fatura do professor por dia ? (R: 160,00 reais diários)
Se considerarmos 22 dias úteis, quanto é faturamento mensal do mesmo professor ?(R: Final do mês ele terá a fatura-do R$ 3.520,00).
Problema nº 2 - O piso salarial é 1.187 reais, para o professor atender 4.400 alunos mensais. Quanto o professor fatura por cada atendimento ? (Resposta: aproximadamente 0,27 mensais)
(vixe, valemos menos que o pacote de pipoca)... continuando os exercícios...
Problema nº 3 - Um professor de padrão de vida simples, solteiro e numa cidade do interior, em atividade, tem as seguintes despesas mensais fixas e variáveis:
Sindicato: R$12,00 reais
Aluguel: R$350,00 reais ( pra não viver confortável)
Agua/energia elétrica: R$100,00 reais (usando o mínimo)
Acesso à internet: R$60,00 reais
Telefone: R$30,00 reais (com restrições de ligações)
Instituto de previdência: R$150,00 reais
Cesta básica: R$500,00 reais
Transporte: sem dinheiro
Roupas: promocionais
Quanto um professor gasta em um mês?
Total das despesas: R$1.202,00
Qual o saldo mensal de um professor?
Saldo mensal: R$1.187,00 – 1.202= (-) 15 reais, passando necessidades
Agora, pergunta-se:
- Que dinheiro o professor terá para seu fim de semana ?
- Quanto o professor poderá gastar com estudos, livros, revistas etc.
- Quanto vale o trabalho de um professor ?
- Isso é bom para o aluno ?
- Isso é bom para a educação pública do Brasil ?
Agora, olhe a pérola que o Sr. Governador do RS disse.
"Quem quiser dar aula faça isso por gosto, e não pelo salário. Se quiser ganhar melhor, peça demissão e vá para o ensino privado " TARSO - Governador(RS)
SE VOCÊ ACHA QUE NOSSO GOVERNADOR DEVE ABRIR MÃO DE SEU SALÁRIO E GOVERNAR POR AMOR, PASSE PARA A FRENTE !
CAMPANHA - TARSO doe seu SALÁRIO e governe por AMOR !
Vamos espalhar isso aos 4 ventos e aumentar a campanha:
DEPUTADOS FEDERAIS E ESTADUAIS, MINISTROS, SENADORES, DOEM SEUS SALÁRIOS E TRABALHEM POR AMOR !
Obs: Não dão valor à Educação Pública...
Que lástima!!!

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Aos lindos visitantes e seguidores deste Blog:

Professora D. Celina.

Para a aula de hoje Dna Celina trouxe uma bela história, para ensinar seus alunos.


Todos os alunos da Dna Celina gostam muito dela e dizem que ela sabe de montão e ensina super bem, mas Dna Celina hoje resolveu falar sobre alguém que sabe muito mais do que ela; aliás , alguém que sabe muito mais que todo mundo.

_ Alguém sabe quem é? - pergunta ela a sua turma.

Maria Augusta que é muito aplicada logo responde:

_ É Jesus!

_ Muito bem , Maria Augusta. Sim, é Jesus. Ele nos ensina as coisas mais importantes, que são aquelas que deixam nosso coração iluminado, bondoso e , mais importante, feliz sempre.

Jesus, viveu há muito e muito tempo atrás, na época em que as pessoas se vestiam de túnicas. Ele contava belas histórias para as crianças e para os adultos também. Procurava ensinar a todos a serem bons.

Alguém sabe que ensino era esse?

_ Professora, a Senhora mesmo disse: ensinava a ser bom. - respondeu Zequinha.

_ Sim, Zequinha, mas em que consiste em ensinar a ser bom? É ensinar a ser o melhor jogador de futebol? é ensinar a ser o melhor da turma? é ensinar a saber esc ever muito bem?A desenhar maravilhosamente? A ler? Será que é isso? - respondeu Dna Celina.

_ Ah! Fessora aí já não sei... - retrucou Zequinha.

_ Jesus nos ensinava, por exemplo, a amar os animais; para isso devendo não maltratá- los, devendo alimentá-los, devendo cuidar para que não fiquem doentes


Jesus nos ensinava, também, a amar todas as pessoas, indistintamente, fossem elas do jeito que fossem; deviamos para isso perdoar quando estivessem tristes ou irritadas, procurar sempre ser amigo, nada de ficar brigando, mas procurar sempre ser compreensivo.

Era coisas assim que Jesus nos ensinava.

E querem saber de uma coisa?

_ Claro!! - responderam todos juntos.

_ Jesus contava histórias belíssimas que nos ensinava muito e os amigos Dele as escreveram e nós hoje podemos lê- las todas.

_ Lê- las? Aonde!? Eu nunca ouvi falar de livro de histórias de Jesus... - perguntou Frederico.

_ Pois é, Fred; as histórias de Jesus podem ser encontradas em um livro chamado Evangelho.

_ Evangelho!? - se espanta Mário

_ Sim, Mário. Evangelho , é onde os amigos de Jesus escreveram as histórias contadas por Jesus. Ele pode ser encontrado em qualquer livraria, mas deverá ser lido com calma e pensando sobre cada história contada, pois elas nos ensinam , pois é ainda hoje elas nos ensinam e muito, sobre amor, sobre tolerância, sobre perdoar e os ensinamentos de Jesus são muito muito maiores , mais profundos e mais fixos do que qualquer ensinamento que eu ou alguém mais possa lhes passar.

Por isso o dever de casa de hoje será, anotem por favor: Vamos fazer uma pesquisa sobre o Evangelho com as seguintes perguntas para vocês responderem:

a) Quem foi Jesus?

b) Quais os ensinamentos que ele nos trouxe e nos deixou?

Esse dever de casa será para a próxima semana , ok?

_ Mas...Fessora, o Evangelho é muito grande ? - Pergunta Frederico

_ Depende, Fred. Depende.. . Mas para a pesquisa para o dever não, ele não é grande e há sua versão para jovens como você, ok?

_ Ok, Dna Celina.

(Fonte da história adaptada para internet: AME /JF-MG)

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Cora Coralina, pseudônimo de Ana Lins do Guimarães Peixoto Brêtas, 20/08/1889 — 10/04/1985, é a grande poetisa do Estado de Goiás.


Um repórter perguntou à Cora Coralina o que é viver bem.
Ela lhe disse:
 "Eu não tenho medo dos anos e não penso em velhice.
E digo prá você, não pense.
Nunca diga estou envelhecendo, estou ficando velha.
Eu não digo.
Eu não digo estou velha, e não digo que estou ouvindo pouco.

É claro que quando preciso de ajuda, eu digo que preciso.
Procuro sempre ler e estar atualizada com os fatos e isso me ajuda a vencer as dificuldades da vida.

O melhor roteiro é ler e praticar o que lê.
O bom é produzir sempre e não dormir de dia.
Também não diga prá você que está ficando esquecida, porque assim você fica mais.
Nunca digo que estou doente, digo sempre: estou ótima.
Eu não digo nunca que estou cansada.

Nada de palavra negativa.
Quanto mais você diz estar ficando cansada e esquecida, mais esquecida fica.
Você vai se convencendo daquilo e convence os outros. Então silêncio!
Sei que tenho muitos anos.

Sei que venho do século passado, e que trago comigo todas as idades, mas não sei se sou velha não.
Você acha que eu sou?
Posso dizer que eu sou a terra e nada mais quero ser.
Filha dessa abençoada terra de Goiás.
Convoco os velhos como eu, ou mais velhos que eu, para exercerem seus direitos.

Sei que alguém vai ter que me enterrar, mas eu não vou fazer isso comigo
.
Tenho consciência de ser autêntica e procuro superar todos os dias minha
própria personalidade, despedaçando dentro de mim tudo que é velho e morto,
pois lutar é a palavra vibrante que levanta os fracos e determina os fortes.
O importante é semear, produzir milhões de sorrisos de solidariedade e amizade.
Procuro semear otimismo e plantar sementes de paz e justiça.
Digo o que penso, com esperança.

Penso no que faço, com fé.
Faço o que devo fazer, com amor.
Eu me esforço para ser cada dia melhor, pois bondade também se aprende.
Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir.".

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

ENTRE 1960 E 2011.

    Cenário 1: João não fica quieto na sala de aula. Interrompe e perturba os colegas.

    · Ano 1960: É mandado à sala da diretoria, fica parado esperando 1 hora, vem o diretor, lhe dá uma bronca e até umas reguadas nas mãos e volta tranqüilo à classe. Esconde o fato dos pais com medo de apanhar mais. Pronto. Voltou a se comportar bem.

      . Ano 2011: É mandado ao departamento de psiquiatria, o diagnosticam como hiperativo, com transtornos de ansiedade e déficit de atenção em ADD, o psiquiatra receita  Rivotril. Transforma-se num zumbi. Os pais reivindicam uma subvenção por ter um filho incapaz e processam o colégio.

         
 Cenário 2: Luis, de sacanagem quebra o farol de um carro, no seu bairro.

    · Ano 1960: Seu pai tira a cinta e lhe aplica umas sonoras bordoadas no traseiro. A Luis nem lhe passa pela cabeça fazer outra nova "cagada", cresce normalmente, vai à universidade e se transforma num profissional de sucesso.

       · Ano 2011: Processam o pai de Luis por maus tratos e  ele tem que se abster de ver seu  filho.  Luis se volta para a droga, delinqüe e fica preso num presídio especial para adolescentes.

        
 Cenário 3: José cai enquanto corria no pátio do colégio, machuca o joelho. Sua professora Maria, o encontra chorando e o abraça para confortá-lo...

    · Ano 1960: Rapidamente, João se sente melhor e continua brincando.

        ·Ano 2011: A professora Maria é acusada de não cuidar das crianças. José passa cinco anos em terapia pelo susto e seus pais processam o colégio por danos psicológicos e a professora por negligência, ganhando os dois juízos. Maria renuncia à docência, entra em aguda depressão e se suicida...

          
Cenário 4: Disciplina escolar

    · Ano 1960: Fazíamos bagunça na classe... O professor nos suspendia e/ou encaminhava para a direção; chegando em casa, nosso velho nos castigava sem piedade e no resto da semana não incomodávamos mais ninguém.

       . Ano 2011: Fazemos bagunça na classe. O professor nos pede desculpas por repreender-nos e fica com a culpa por fazê-lo. Nosso velho vai até o colégio dar queixa do professor e para consolá-lo do trauma eterno compra um big computador para o filhinho.

       
 Cenário 5: Horário de Verão.

    · Ano 1960: Chega o dia de mudança de horário de inverno para horário de verão. Nada acontece.

         · Ano 2011: Chega o dia de mudança de horário de inverno para horário de verão. A gente sofre transtornos de sono, depressão, porque a violência tá demais. Como sair no escuro para trabalhar?

          
Cenário 6: Fim das férias.

    · Ano 1960: Depois de passar férias com toda a família enfiados num Gordini ou Fusquinha, é hora de voltar após 15 dias de sol na praia. No dia seguinte se trabalha e tudo bem.

         · Ano 2011: Depois de voltar de Cancun, numa viagem 'all inclusive', terminam as férias e a gente sofre da síndrome do abandono, "panic attack", seborréia, e ainda precisa de mais 15 dias de readaptação...

          
 Cenário 7: Saúde.

    · Ano 1960: Quando ficávamos doentes, íamos ao INPS aguardávamos 2 horas em pé para sermos atendidos, não pagávamos nada, tomávamos os remédios e melhorávamos.

         · Ano 2011: Pagamos uma fortuna por plano de saúde. Quando fazemos uma leve distensão muscular, conseguimos uma consulta VIP para daqui a 4 meses, o médico ortopedista vê uma pintinha no nosso nariz, acha que logo que é câncer, nos indica um amigo dermatologista que pede uma biópsia, passa uma fórmula da farmácia que ele tem "convênio" e nos indica um amigo oftalmologista, que "indica" a clínica para fazer exames especiais e a ótica, porque acha que temos uma grave deficiência visual.  Fazemos quimioterapia, usamos óculos e depois de dois anos e mais 45 consultas e 3 cirurgias, melhoramos da distensão muscular.

          
Cenário 8: Trabalho.

    · Ano 1960: O funcionário era "pego" cera (fazendo nada). Tomava uma regada do chefe, ficava com vergonha e ia trabalhar.

      · Ano 2011: O funcionário pego "desestressando" é abordado gentilmente pelo chefe que pergunta se ele está passando bem. O funcionário acusa-o de bullying e assédio moral, processa a empresa que toma uma multa, o funcionário é indenizado e o chefe é demitido.

          
Cenário 9: Assédio.

    · Ano 1960: A colega gostosona recebe uma cantada de Ricardo. Ela reclama, enquadra ele e fica tudo bem.

         · Ano 2011: Ricardo admira as pernas da colega gostosona quando ela lhe exibe a calcinha abrindo as pernas, sentada em sua frente, e porque ele não quis ela, com orgulho ferido, ela o processa por assédio sexual, e ele é condenado pela Maria da Penha a prestar serviços comunitários. Ela recebe indenização, terapia, tratamento psicológico e proteção paga pelo estado.



 

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Esselentíssimo


EXCELENTE
Ao transitar pelos corredores do fórum, o advogado (e professor) foi chamado por um dos juízes:
- Olha só que erro ortográfico grosseiro temos nesta petição.
Estampado logo na primeira linha do petitório lia-se: "Esselentíssimo Juiz". 

Gargalhando, o magistrado lhe perguntou :
- Por acaso esse advogado foi seu aluno na Faculdade?
- Foi sim - reconheceu o mestre. Mas onde está o erro ortográfico a que o senhor se refere?
O juiz pareceu surpreso:
- Ora, meu caro, acaso você não sabe como se escreve a palavra Excelentíssimo?
Então explicou o catedrático:
- Acredito que a expressão pode significar duas coisas diferentes.
Se o colega desejava se referir a excelência dos seus serviços, o erro ortográfico efetivamente é grosseiro. Entretanto, se fazia alusão à morosidade da prestação jurisdicional, o equívoco reside apenas na junção inapropriada de duas palavras.
O certo então seria dizer: 
"Esse lentíssimo juiz".
Depois disso, aquele magistrado nunca mais aceitou o tratamento de "Excelentíssimo Juiz", sem antes perguntar:
- Devo receber a expressão como extremo de excelência ou como superlativo de lento? 





sábado, 1 de outubro de 2011

Definição de filho por José Saramago.

"Filho é um ser que nos foi emprestado para um curso intensivo de como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar nossos piores defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter coragem. Isto mesmo ! Ser pai ou mãe é o maior ato de coragem que alguém pode ter, porque é se expor a todo tipo de dor, principalmente da incerteza de estar agindo corretamente e do medo de perder algo tão amado. Perder? Como? Não é nosso, recordam-se? Foi apenas um empréstimo".

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Greve é suspensa após 112 dias.

Anastasia,(governador de MG),confirma medidas e diz que professores só irão receber após reposição das aulas.
Depois de 112 dias de paralisação, a greve dos professores da rede estadual de ensino foi suspensa ontem. Os servidores retornam às salas de aula amanhã. No entanto, o Sindicato Único dos Professores em Educação (Sind-UTE) ressaltou que o estado de greve continua até o dia 8 de outubro, quando haverá uma nova reunião para analisar se as propostas do governo do Estado estão sendo cumpridas.
O anúncio do comando de greve foi feito no pátio da Assembleia Legislativa, com a presença de 5.000 professores. De acordo com o Sind-UTE, o governo prometeu a aplicar o piso salarial nacional no plano de carreira da categoria. No termo de compromisso assinado pela Secretaria de Estado de Governo, entre 2012 e 2015, esses profissionais serão enquadrados, gradativamente, em faixas salariais, levando-se em consideração o tempo de carreira e a escolaridade.
A reposição das aulas ainda será motivo de negociação, que deverá ser atrelada ao corte na folha dos dias parados.
Jornal O Tempo, MG.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

GREVE DOS PROFESSORES DE MINAS GERAIS COMPLETA 101 DIAS





A insistência do governador em não pagar o piso aos professores é ilegal e nem mesmo o argumento da falta de recursos se justifica.
A Justiça, mancomunada com o governador, decretou a ilegalidade da greve, indo de encontro à lei federal que instituiu o piso nacional.
Belo Horizonte, Praça da Liberdade, virou hoje (16/09/2011) um palco de guerra, graças à truculência do governo. Cerca de três mil educadores lá estiveram para acompanhar a contagem regressiva para a Copa do Mundo. Mas, logo se deram conta de que não eram bem vindos e muito menos seus nomes figuravam entre os convidados do governo. A praça estava toda cercada com grades e tropa de choque, cavalaria, cachorros treinados, homens da polícia armados com escopeta e cassetetes

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Sou Branco, honesto, contribuinte, eleitor, hetero... Para quê?


Ives Gandra da Silva Martins*

Hoje, tenho eu a impressão de que o "cidadão comum e branco" é agressivamente discriminado pelas autoridades e pela legislação infraconstitucional, a favor de outros cidadãos, desde que sejam índios, afros descendentes, homossexuais ou se autodeclarem pertencentes a minorias submetidas a possíveis preconceitos.
Assim é que, se um branco, um índio e um afro descendente tiverem a mesma nota em um vestibular, pouco acima da linha de corte para ingresso nas Universidades e as vagas forem limitadas, o branco será excluído, de imediato, a favor de um deles! Em igualdade de condições, o branco é um cidadão inferior e deve ser discriminado, apesar da Lei Maior.
Os índios, que, pela Constituição (art. 231), só deveriam ter direito às terras que ocupassem em 5 de outubro de 1988, por lei infraconstitucional passaram a ter direito a terras que ocuparam no passado. Menos de meio milhão de índios brasileiros - não contando os argentinos, bolivianos, paraguaios, uruguaios que pretendem ser beneficiados também - passaram a ser donos de 15% do território nacional, enquanto os outros 185 milhões de habitantes dispõem apenas de 85% dele. Nessa exegese equivocada da Lei Suprema, todos os brasileiros não-índios foram discriminados.
Aos 'quilombolas', que deveriam ser apenas os descendentes dos participantes de quilombos, e não os afros descendentes, em geral, que vivem em torno daquelas antigas comunidades, tem sido destinada, também, parcela de território consideravelmente maior do que a Constituição permite (art. 68 ADCT), em clara discriminação ao cidadão que não se enquadra nesse conceito.
Os homossexuais obtiveram do Presidente Lula e da Ministra Dilma Roussef o direito de ter um congresso financiado por dinheiro público, para realçar as suas tendências - algo que um cidadão comum jamais conseguiria!
Os invasores de terras, que violentam, diariamente, a Constituição, vão passar a ter aposentadoria, num reconhecimento explícito de que o governo considera, mais que legítima, meritória a conduta consistente em agredir o direito. Trata-se de clara discriminação em relação ao cidadão comum, desempregado, que não tem esse 'privilégio', porque cumpre a lei.
Desertores, assaltantes de bancos e assassinos, que, no passado, participaram da guerrilha, garantem a seus descendentes polpudas indenizações, pagas pelos contribuintes brasileiros. Está, hoje, em torno de 4 bilhões de reais o que é retirado dos pagadores de tributos para 'ressarcir' aqueles que resolveram pegar em armas contra o governo militar ou se disseram perseguidos.
E são tantas as discriminações, que é de perguntar: de que vale o inciso IV do art. 3º da Lei Suprema?
Como modesto advogado, cidadão comum e branco, sinto-me discriminado e cada vez com menos espaço, nesta terra de castas e privilégios.

( *Ives Gandra da Silva Martins é renomado professor emérito das universidades Mackenzie e UNIFMU e da Escola de Comando e Estado do Exército e presidente do Conselho de Estudos Jurídicos da Federação do Comércio do Estado de São Paulo ).
Para os que desconhecem este é o:
Inciso IV do art. 3° da CF a que se refere o Dr. Ives Granda, em sua íntegra:
"Promover o bem de todos, sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação."
Assim, volta a ser atual, ou melhor nunca deixou de ser atual, a constatação do grande Rui Barbosa:
"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto". (Senado Federal, RJ. Obras Completas, Rui Barbosa. v. 41, t. 3, 1914, p. 86)

OBS: Recebi por e-mail, gostei e aqui está.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Vamos pensar um pouco?


"Já que colocam fotos de gente morta nos maços de cigarros, por que não colocar também: de gente obesa em pacotes de batata frita, de animais torturados nos cosméticos, de acidentes de trânsito nas garrafas e latas de bebidas alcoólicas, de gente sem teto nas contas de água e luz, e de políticos corruptos nas guias de recolhimento de impostos?"
(desconheço o autor)
Minha opinião: Ainda bem que colocam fotos de gente morta em alguns maços de cigarros...

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Professor em Versos.

A Ciranda on-line já começou.
Vários poetas já enviaram os seus trabalhos.
Entre nesta Ciranda com a sua trova, quadra, hai-cai, soneto, cordel ou poesia livre.

Tema: Professor (a palavra-tema deverá constar no trabalho literário).
Término da Ciranda pelo Brasil e pelo mundo: 25/09/2011.
Apresentação da Ciranda on-line “Professor em versos” com todos os participantes: 15/10/2011 (Dia do Professor).
Enviar para o e-mail da poeta e pedagoga Isa Henriques:

Isa Henriques isahhenriques@gmail.com

Trabalho literário: Fonte Arial – Tamanho da fonte 12
Nome completo: ______________________________________________
Nome literário: ________________________________________________
Endereço: Rua __________________ Nº: ____ Bairro: ____________
CEP: _________ Cidade: _______________ Estado: ___ País: _______
E-mail: _____________________________ Tel.: ___________________

Participe e divulgue!

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

O DESESPERO DA PROFESSORA !


A professora pergunta a um aluno:
- Wandercleison, diga aí um verbo.
- Bicicreta.
- Não é bicicreta... É bicicleta! E bicicleta não é verbo.
Depois, perguntou ao segundo aluno:
- Helvispresli, diga aí um verbo.
- Prástico.
- Não é prástico... É plástico! E plástico não é verbo.
A professora, desesperada, perguntou ao terceiro aluno.
- Janedílson, diga aí um verbo.
- Hospedar.
- Muito bem! Hospedar realmente é um verbo!
Agora diga-me uma frase com o verbo que escolheu.
- Hospedar da bicicreta são de prástico!...

Cinco Minutos de Valores Humanos para a Escola.


Já pensou numa ação viável que pudesse começar a mudar esse quadro de violência, corrupção, falta de respeito, desamor e injustiças que assola o país?
Há uma, perfeitamente viável: passar-se a ensinar honestidade, bom convívio, ética, justiça, respeito pela vida, pelos outros, pelas leis, pela natureza, etc., em todas as escolas de país, da educação básica ao ensino superior.
É uma ação a frutificar em médio e longo prazo, mas de forma sistemática e progressiva.
É de fácil implementação, porque já existem excelentes conteúdos, inteiramente gratuitos (via Internet) para o ensino de valores humanos nas escolas.
Também produz resultados práticos, confirmados pelas dezenas de mensagens recebidas de escolas nas mais diversas partes do país, informando sobre as mudanças observadas no comportamento dos alunos e até de professores, desde que começaram a ensinar valores aos alunos utilizando o material didático do Projeto Sócio-Educativo Cinco Minutos de Valores Humanos para a Escola, (disponibilizado gratuitamente desde o final de 2008: www.cincominutos.org)
Outras ações, tais como, reclamar, fazer protestos ou movimentos, como foi o caso da “ficha limpa” são importantes, mas por si só são insuficientes, já que injustiça, falta de ética e corrupção estão entranhados em nossa sociedade.
Não vemos, portanto, outra solução, porque só é possível reverter esse surto de valores negativos que assola nossa sociedade, mediante uma mudança completa na mentalidade vigente.
É necessária uma vacina que atue na intimidade da questão, e a faixa da população mais indicada para começar a recebê-la é a infanto-juvenil porque ainda não se contaminou, e também por ser mais acessível mediante a inserção do ensino de valores humanos nos currículos escolares.
Diante do óbvio, a equipe responsável pelo Projeto Sócio-Educativo, acima citado, está propondo aos educadores e à família brasileira um movimento visando sensibilizar os poderes legislativos para a criação de uma lei que determine a inclusão do ensino de valores humanos no currículo de todas as escolas do país, da educação básica e do ensino médio. Uma lei que estabeleça como propriedade do processo educativo a formação do caráter.
Pensemos nas mudanças que começarão a ocorrer na sociedade nos próximos 10 ou 15 anos, quando o ensino dos valores humanos for ministrado em todas as escolas do país.
http://portaldoprofessor.mec.gov.br/link.htm/?categoria=19
É importante ressaltar que os responsáveis por esse programa não recebem, nem querem receber, qualquer ajuda material de órgãos públicos e/ ou particulares, com exceção do que se refira à sua divulgação.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

O Mestre dos Mestres. O Maior Educador da História.


Mensagem lida na formatura do Curso de Medicina da PUC-PR /2010.

Boa noite a todos!

Hoje estou aqui para prestar uma homenagem ao primeiro, maior e melhor médico da história da humanidade!
Deus é esse médico, o médico dos médicos, e o mais excelente conhecedor do corpo humano.
Todas as células e tecidos, órgãos e sistemas, foram arquitetados por Ele, e Ele entende e conhece a sua criação melhor do que todos.
Que médico mais excelente poderia existir?
Deus é o primeiro cirurgião da história.
A primeira operação? Uma toracoplastia, quando Deus retirou uma das costelas de Adão e dela formou a mulher.
Ele também é o primeiro Anestesista, porque antes de retirar aquela costela fez um profundo sono cair sobre o homem.
Deus é o melhor Obstetra especialista em fertilização que já existiu! Pois concedeu filhos a Sara, uma mulher que além de estéril, já estava na menopausa havia muito tempo!
Jesus, o filho de Deus, que com Ele é um só, é o primeiro pediatra da história, pois disse: “Deixem vir a mim as crianças, porque delas é o reino de Deus!”
Ele também é o maior reumatologista, pois curou um homem que tinha uma mão ressequida, ou, tecnicamente uma osteoartrite das articulações interfalangeanas.
Jesus é o primeiro oftalmologista, relatou em Jerusalém, o primeiro caso de cura em dois cegos de nascença.
Ele também é o primeiro emergencista a realizar, literalmente, uma ressuscitação cardio-pulmonar bem sucedida, quando usou como desfibrilador as suas palavras ao dizer: “Lázaro, vem para fora!”, e pelo poder delas, ressuscitou seu amigo que já havia falecido havia 4 dias.
Ele é o melhor otorrinolaringologista, pois devolveu a audição a um surdo.
Seu tratamento? O poder de seu amor.
Jesus também é o maior psiquiatra da história, há mais de 2 mil anos curou um jovem com graves distúrbios do pensamento e do comportamento!
Deus também é o melhor ortopedista que já existiu, pois juntou um monte de ossos secos em novas articulações e deles fez um grande exército de homens.
Sem contar quando ele disse a um homem coxo: “Levanta, toma a tua maca e anda!”, e o homem andou! O tratamento ortopédico de quadril mais efetivo já relatado na história!
A primeira evidência científica sobre a hanseníase está na Bíblia! E Jesus é o dermatologista mais sábio da história, pois curou instantaneamente 10 homens que sofriam desta doença.
Ele também é o primeiro hematologista, pois com apenas um toque curou a coagulopatia de uma mulher que sofria de hemorragia havia mais de 12 anos e que tinha gastado todo o seu dinheiro com outros médicos em tratamentos sem sucesso.
Jesus é ainda, o maior doador de sangue do mundo. Seu tipo sanguíneo? O negativo, ou, doador universal, pois nesta transfusão, Ele, ofereceu o seu próprio sangue, o sangue de um homem sem pecado algum, por todas as pessoas que tinham sobre si a condenação de seus erros, e assim, através da sua morte na cruz e de sua ressurreição, deu a todos os que o recebem, o poder de se tornarem filhos de Deus! E para ter este grande presente, que é a salvação, não é necessário FAZER nada, apenas crer e receber!
O bom médico é aquele que dá a sua vida pelos seus pacientes! Ele fez isso por nós!
Ele é um médico que não cobra pelos seus serviços, porque o presente GRATUITO de Deus é a vida eterna!
No seu consultório não há filas, não é necessário marcar consulta e nem esperar para ser atendido, pelo contrário, Ele já está à porta e bate, e aquele que abrir a seu coração para Ele, Ele entrará e fará uma grande festa! Não é necessário ter plano de saúde ou convênio, basta você querer e pedir! O tratamento que ele oferece é mais do que a cura de uma doença física, é uma vida de paz e alegria aqui na terra e mais uma eternidade inteira ao seu lado no céu!
O médico dos médicos está convidando você hoje para se tornar um paciente dele, e receber esta salvação e constatar que o tratamento que Ele oferece é exatamente o que você precisa para viver!
Ele é o único caminho, a verdade e a vida.
Ninguém pode ir até Deus a não ser por Ele.
Seu nome é Jesus.
A este médico seja hoje o nosso aplauso e a nossa sincera gratidão!





terça-feira, 23 de agosto de 2011

Livros pra inguinorantes


Confeço qui to morrendo de enveja da fessora Heloisa Ramos que escrevinhou um livro cheio de erros de Português e vendeu 485 mil ezemplares para o Minestério da Educassão. Eu dou um duro danado para não tropesssar na Gramática e nunca tive nenhum dos meus 42 livros comprados pelo Pograma Naçional do Livro Didáctico. Vai ver que é por isso: escrevo para quem sabe Portugues!
A fessora se ex-plica dizendo que previlegiou a linguagem horal sobre a escrevida. Só qui no meu modexto entender a linguajem horal é para sair pela boca e não para ser botada no papel. A palavra impreça deve obedecer o que manda a Gramática. Ou então a nossa língua vai virar um vale-tudo sem normas nem regras e agente nem precisamos ir a escola para aprender Português.
A fessora dice também que escreveu desse jeito para subestituir a nossão de ?certo e errado? pela de ?adequado e inadequado?. Vai ver que quis livrar a cara do Lula que agora vive dando palestas e fala muita coisa inadequada. Só que a Gramatica eziste para encinar agente como falar e escrever corretamente no idioma portugues. A Gramática é uma espéce de Constituissão do edioma pátrio e para ela não existe essa coisa de adequado e inadequado. Ou você segue direitinho a Constituição ou você está fora da lei - como se diz? - magna.
Diante do pobrema um acessor do Minestério declarou que ?o ministro Fernando Adade não faz análise dos livros didáticos?. E quem pediu a ele pra fazer? Ele é um homem muito ocupado, mas deve ter alguém que fassa por ele e esse alguém com certesa só conhece a linguajem horal. O asceçor afirmou ainda que o Minestério não é dono da Verdade e o ministro seria um tirano se disseçe o que está certo e o que está errado. Que arjumento absurdo! Ele não tem que dizer nada. Tem é que ficar caladinho por causa que quem dis o que está certo é a Gramática. Até segunda ordem a Gramática éque é a dona da verdade e o Minestério que é da Educassão deve ser o primeiro a respeitar.

._..Se o Senado fechar amanhã, ninguém vai sentir sua falta, salvo os lobistas e os políticos que querem atingir o Tesouro Nacional por meio de troca de favores.

Jornal do Brasil
Carlos Eduardo Novaes


quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Fernando Pessoa (Lisboa, 13 de junho de 1888 - Lisboa, 30 de novembro de 1935)


Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes,
mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo.
E que posso evitar que ela vá a falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver apesar de todos os desafios,incompreensões e períodos de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e
se tornar um autor da própria história.
É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar
um oásis no recôndito da sua alma .
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos..
É saber falar de si mesmo.
É ter coragem para ouvir um 'não'.
É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.

Pedras no caminho?
Guardo todas, um dia vou construir um castelo...

(Fernando Pessoa)



sábado, 30 de julho de 2011

Desabafo de um empresário de São Leopoldo (RS)

EMPRESÁRIO DE SÃO LEOPOLDO
Silvino Geremia é empresário em São Leopoldo, Estado do Rio Grande do Sul.
Eis o seu desabafo, publicado na revista EXAME:

"Acabo de descobrir mais um desses absurdos que só servem para atrasar a vida das pessoas que tocam e fazem este país: investir em Educação é contra a lei .
Vocês não acreditam?
Minha empresa, a Geremia, tem 25 anos e fabrica equipamentos para extração de petróleo, um ramo que exige tecnologia de ponta e muita pesquisa.
Disputamos cada pedacinho do mercado com países fortes, como os Estados Unidos e o Canadá.
Só dá para ser competitivo se eu tiver pessoas qualificadas trabalhando comigo.
Com essa preocupação criei, em 1988, um programa que custeia a educação em todos os níveis para qualquer funcionário, seja ele um varredor ou um técnico.
Este ano, um fiscal do INSS visitou a nossa empresa e entendeu que Educação é Salário Indireto.
Exigiu o recolhimento da contribuição social sobre os valores que pagamos aos estabelecimentos de ensino freqüentados por nossos funcionários, acrescidos de juros de mora e multa pelo não recolhimento ao INSS.
Tenho que pagar 26 mil reais à Previdência por promover a educação dos meus funcionários?
Eu honestamente acho que não.
Por isso recorri à Justiça.
Não é pelo valor em si , é porque acho essa tributação um atentado.
Estou revoltado.
Vou continuar não recolhendo um centavo ao INSS, mesmo que eu seja multado 1000 vezes.
O Estado brasileiro está completamente falido.
Mais da metade das crianças que iniciam a 1ª série não conclui o ciclo básico.
A Constituição diz que educação é direito do cidadão e um dever do Estado.
E quem é o Estado?
Somos todos nós.
Se a União não tem recursos e eu tenho, acho que devo pagar a escola dos meus funcionários.
Tudo bem, não estou cobrando nada do Estado.
Mas também não aceito que o Estado me penalize por fazer o que ele não faz.
Se essa moda pega, empresas que proporcionam cada vez mais benefícios vão recuar..
Não temos mais tempo a perder.
As leis retrógradas, ultrapassadas e em total descompasso com a realidade devem ser revogadas.
A legislação e a mentalidade dos nossos homens públicos devem adequar-se aos novos tempos.
Por favor, deixem quem está fazendo alguma coisa trabalhar em paz.
E vão cobrar de quem desvia dinheiro, de quem sonega impostos, de quem rouba a Previdência, de quem contrata mão-de-obra fria, sem registro algum.
Eu Sou filho de família pobre, de pequenos agricultores, e não tive muito estudo.
Somente consequi completar o 1º grau aos 22 anos e, com dinheiro ganho no meu primeiro emprego, numa indústria de Bento Gonçalves, na serra gaúcha, paguei uma escola técnica de eletromecânica.
Cheguei a fazer vestibular e entrar na faculdade, mas nunca terminei o curso de Engenharia Mecânica por falta de tempo.
Eu precisava fazer minha empresa crescer.
Até hoje me emociono quando vejo alguém se formar.
Quis fazer com meus empregados o que gostaria que tivessem feito comigo.
A cada ano cresce o valor que invisto em educação porque muitos funcionários já estão chegando à Universidade.
O fiscal do INSS acredita que estou sujeito a ações judiciais.
Segundo ele, algum empregado que não receba os valores para educação poderá reclamar uma equiparação salarial com o colega que recebe..
Nunca, desde que existe o programa, um funcionário meu entrou na Justiça.
Todos sabem que estudar é uma opção daqueles que têm vontade de crescer...
E quem tem esse sonho pode realizá-lo porque a empresa oferece essa oportunidade.
O empregado pode estudar o que quiser, mesmo que seja Filosofia, que não teria qualquer aproveitamento prático na nossa Empresa Geremia.
No mínimo, ele trabalhará mais feliz.
Meu sonho de consumo sempre foi uma Mercedes-Benz.
Adiei sua realização várias vezes porque, como cidadão consciente do meu dever social, quis usar meu dinheiro para fazer alguma coisa pelos meus 280 empregados.
Com os valores que gastei no ano passado na educação deles, eu poderia ter comprado Duas Mercedes.
Teria mandado dinheiro para fora do País e não estaria me incomodando com essas leis absurdas .
Mas infelizmente não consigo fazer isso.
Eu sou um teimoso.
No momento em que o modelo de Estado que faz tudo está sendo questionado, cabe uma outra pergunta.
Quem vai fazer no seu lugar?
Até agora, tem sido a iniciativa privada.
Não conheço, felizmente, muitas empresas que tenham recebido o mesmo tratamento que a Geremia recebeu da Previdência por fazer o que é dever do Estado.
As que foram punidas preferiram se calar e, simplesmente, abandonar seus programas educacionais.
Com esse alerta temo desestimular os que ainda não pagam os estudos de seus funcionários.
Não é o meu objetivo.
Eu, pelo menos, continuarei ousando ser empresário, a despeito de eventuais crises, e não vou parar de investir no meu patrimônio mais precioso:
as pessoas.
Eu sou mesmo teimoso!...
Não tem jeito...

"No futebol, o Brasil ficou entre os 8 melhores do mundo e todos estão tristes.
Na educação é o 85º e ninguém reclama..."

EU APOIO ESTA TROCA

TROQUE 01 PARLAMENTAR POR 344 PROFESSORES

domingo, 17 de julho de 2011

CARTA DE ABRAHAN LINCOLN AO PROFESSOR DO SEU FILHO:


Nestes tempos em que pais incentivam bulling, não aceitam notas, questionam e ameaçam professores, passam a mão na cabeça de filhos atropeladores, brigões, marginais, frutos amargos de um tempo sem qualquer noção de limites, semeando uma sociedade que não valoriza a vida, vale a pena ler esta carta de um grande homem:

"Caro professor, ele terá de aprender que nem todos os homens são justos, nem todos são verdadeiros, mas por favor diga-lhe que, para cada vilão há um herói, que para cada egoísta, há também um líder dedicado, ensine-lhe por favor que para cada inimigo haverá também um amigo, ensine-lhe que mais vale uma moeda ganha que uma moeda encontrada, ensine-o a perder, mas também a saber gozar da vitória, afaste-o da inveja e dê-lhe a conhecer a alegria profunda do sorriso silencioso, faça-o maravilhar-se com os livros, mas deixe-o também perder-se com os pássaros no céu, as flores no campo, os montes e os vales.
Nas brincadeiras com os amigos, explique-lhe que a derrota honrosa vale mais que a vitória vergonhosa, ensine-o a acreditar em si, mesmo se sozinho contra todos.
Ensine-o a ser gentil com os gentis e duro com os duros, ensine-o a nunca entrar no comboio simplesmente porque os outros também entraram.
Ensine-o a ouvir todos, mas, na hora da verdade, a decidir sozinho, ensine-o a rir quando estiver triste e explique-lhe que por vezes os homens também choram.
Ensine-o a ignorar as multidões que reclamam sangue e a lutar só contra todos, se ele achar que tem razão.
Trate-o bem, mas não o mime, pois só o teste do fogo faz o verdadeiro aço, deixe-o ter a coragem de ser impaciente e a paciência de ser corajoso.
Transmita-lhe uma fé sublime no Criador e fé também em si, pois só assim poderá ter fé nos homens.
Eu sei que estou pedindo muito, mas veja o que pode fazer, caro professor."
Abraham Lincoln, 1830

terça-feira, 12 de julho de 2011

Uma pausa para risos.


Professor: O que devo fazer para repartir 11 batatas por 7 pessoas?
Aluno: Purê de batata, senhor professor!·

Professor:- Joaquim, diga o presente do indicativo do verbo caminhar.
Aluno:- Eu caminho... tu caminhas... ele caminha....
Professor:- Mais depressa!
Aluno:- Nós corremos, vós correis, eles correm!

Professor: "Chovia" que tempo é?
Aluno: É tempo muito mau, senhor professor.

Professor: Quantos corações nós temos?
Aluno: Dois, senhor professor.
Professor: Dois!?
Aluno: Sim, o meu e o seu!

Dois alunos chegam tarde à escola e justificam-se:
- O 1º Aluno diz: Acordei tarde, senhor professor!
Sonhei que fui à Polinésia e a viagem demorou muito.
- O 2º Aluno diz: E eu fui esperá-lo no aeroporto!

Professor: Pode dizer-me o nome de cinco coisas que contenham leite?
Aluno: Sim, senhor professor. Um queijo e quatro vacas.
Um aluno de Direito a fazer um exame oral: O que é uma fraude?
Responde o aluno: É o que o Sr. Professor está a fazer.
O professor muito indignado: Ora essa, explique-se...
Diz o aluno: Segundo o Código Penal comete fraude todo aquele que se aproveita da
ignorância do outro para o prejudicar!

PROFESSORA: Maria, aponte no mapa onde fica a América do Norte.
MARIA: Aqui está.
PROFESSORA: Correto. Agora turma, quem descobriu a América?
TURMA: A Maria.

PROFESSORA: Pedro, me diga sinceramente, você ora antes de cada refeição?
PEDRO: Não professora, não preciso.. A minha mãe é uma boa cozinheira.

PROFESSORA: Artur, a tua redação "O Meu Cão" é exatamente igual à do seu irmão. Você copiou?
ARTUR: Não, professora. O cão é que é o mesmo.

PROFESSORA: Bruno, que nome se dá a uma pessoa que continua a falar, mesmo quando os outros não estão interessados?
BRUNO: Professora.

_______________

________________________________

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Armas contra o futuro.


Alexandre Garcia 08 de Fevereiro de 2011 Armas contra o futuro

Na caminhada em torno da Lagoa Rodrigo de Freitas, pedimos dois cocos para compensar o suor do calorão. A R$3,50 cada um, entreguei uma nota de 20 para o vendedor. Ele ficou me olhando e implorou: Patrão, me ajude! Dois de 3 e 50, dá quanto? Entendi que ele estava pedindo uma gorjeta; pensei em arredondar para 10 reais. Mas minha filha entendeu melhor e informou a ele: 3 e 50 vezes 2 dá 7 e o senhor tem que dar 13 de troco. Era isso. O homem, de uns 45 anos, vendedor de coco na zona sul do Rio de Janeiro, não sabia dar troco nas suas vendas. Minutos depois, acontecia o mesmo com um casal que pagava dois cocos com uma nota de 20 reais. Fiquei estarrecido e na maior tristeza. No meu país, nem sequer as operações aritiméticas fundamentais são conhecidas por quem precisa ganhar a vida.

Naquele sábado ainda teria outra surpresa. Ao chegar à Globo e abrir o computador, encontrei extenso e.mail de um bacharel em direito, protestando contra a exigência de exame para a OAB. O texto era prolixo, cheio de modismos, sem vírgulas, com erros de ortografia e pobre em argumentação. E, ao contrário do que pretendia o missivista, comprovava a necessidade de um filtro antes de admitir advogados nos tribunais. Além disso, mostrava também a mediocridade do ensino superior.

No programa Espaço Aberto, que apresento, os presidentes da Câmara e do Senado concordaram imediatamente comigo, em que a Educação é a maior das prioridades e das urgências deste país. Estranhei, porque na prática, pouco os políticos fazem pela Educação, além de declarações óbvias sobre a importância dela. E não conseguem me demover da constatação de que eles temem a Educação. Porque, afinal, o conhecimento liberta. E eleitor livre não aceita paternalismos. O maior mérito da Educação é que ensina a pensar. Portanto, ensina a julgar e a decidir.

Estamos atrasadíssimos. Não há como comparar um menino médio brasileiro com um uruguaio, por exemplo. A educação, no pequeno vizinho, faz parte da cultura como uma necessidade básica - e com qualidade. E começa em casa, onde se ensinam os deveres de cidadania. Por aqui, é uma tristeza. Se não reagirmos, não teremos futuro. Já se nota que os demais emergentes estão passando à nossa frente. Por um principal motivo: Educação. A China, há 30 anos, investe maciçamente em Educação. E não pára de crescer e de conquistar maior bem-estar social. Aqui, Educação é um perigo para os políticos e, por enquanto, uma arma contra o nosso futuro.

Alexandre Garcia é jornalista em Brasília e escreve semanalmente em Só Notícias.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Educação Moderna

Irmão Saulo
Uns condenam a educação moderna, saudosos dos tempos em que as crianças obedeciam aos pais pelo olhar e tremiam diante do mestre. Outros aprovam a nova educação sem a conhecer e fazem do seu princípio de liberdade uma forma de abandono. Não há liberdade irrestrita, pois a liberdade só pode existir dentro das condições necessárias. Um homem solto no espaço, livre até mesmo da gravitação, não pode fazer coisa alguma e perecerá na desolação. Para que ele tenha liberdade é preciso que esteja condicionado pelo meio físico, pisando a terra e aspirando o ar, condicionado pelo corpo e pelo meio familiar e social, e assim por diante.
A educação antiga era uma forma de domesticação. As crianças eram tratadas como animais. A educação moderna, a partir de Rousseau, é uma forma de compreensão. O seu princípio básico não é a liberdade, mas a compreensão da criança como um ser em desenvolvimento. O seu objetivo não é o abandono da criança a si mesma e sim o cultivo paciente da criança, para que possa crescer sadia no corpo e no espírito. Os maus juízos sobre a nova educação provêm do seu desconhecimento pelos pais e pelos mestres, muitos dos quais não possuem aptidão para educar.
Para os órfãos, o trecho citado de O Evangelho Segundo o Espiritismo prescreve-nos ajudá-los, livrá-los da fome e do frio, orientar suas almas para que não se percam no vicio. Esse o programa da nova educação. Seria um contra-senso convertermos os nossos filhos em órfãos, entregues a si mesmos, ao invés de vigiá-los, descobrir-lhes os maus pendores, corrigir-lhes as arestas morais e orientá-los para o futuro.
Os depositários de bens materiais cuidam deles para que não se deteriorem. O lavrador cuida das suas plantações para que produzam. Os pais, depositários de almas, têm responsabilidade muito maior e mais grave que a daqueles. Precisam cuidar de seus filhos e ajudá-los para que sejam úteis no futuro.

(Do livro “Na Era do Espírito”, Francisco C. Xavier e Herculano Pires, Espíritos Diversos)

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Redação que venceu o concurso da UNESCO para reflexão sobre nossas práticas.


Tema: 'Como Vencer a Pobreza e a Desigualdade'
Por Clarice Zeitel Vianna Silva
UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - RJ

'PÁTRIA MADRASTA VIL'

Onde já se viu tanto excesso de falta? Abundância de inexistência... Exagero de escassez... Contraditórios? ? Então, aí está! O novo nome do nosso país! Não pode haver sinônimo melhor para BRASIL.

Porque o Brasil, nada mais é do que o excesso de falta de caráter, a abundância de inexistência de solidariedade, o exagero de escassez de responsabilidade.

O Brasil nada mais é do que uma combinação mal engendrada - e friamente sistematizada - de contradições.

Há quem diga que 'dos filhos deste solo és mãe gentil', mas eu digo que não é gentil e, muito menos, mãe.

Pela definição, que eu conheço de MÃE, o Brasil está mais para madrasta vil.

A minha mãe não 'tapa o sol com a peneira'. Não me daria, por exemplo, um lugar na universidade, sem ter-me dado uma bela formação básica.

E mesmo, há 200 anos atrás, não me aboliria da escravidão, se soubesse que me restaria a liberdade, apenas para morrer de fome.

Porque a minha mãe não iria querer me enganar, iludir.

Ela me daria um verdadeiro Pacote, que fosse efetivo na resolução do problema, e que contivesse educação + liberdade + igualdade. Ela sabe que de nada me adianta ter educação pela metade, ou tê-la aprisionada pela falta de oportunidade, pela falta de escolha, acorrentada pela minha voz-nada-ativa.

A minha mãe sabe que eu só vou crescer, se a minha educação gerar liberdade e esta, por fim, igualdade. Uma segue a outra... Sem nenhuma contradição!

É disso que o Brasil precisa: mudanças estruturais, revolucionárias, que quebrem esse sistema-esquema social montado; mudanças que não sejam hipócritas, mudanças que transformem!

A mudança, que nada muda, é só mais uma contradição. Os governantes (às vezes) dão uns peixinhos, mas não ensinam a pescar.

E a educação libertadora entra aí. O povo está tão paralisado pela ignorância, que não sabe a que tem direito. Não aprendeu o que é ser cidadão.

Porém, ainda nos falta um fator fundamental, para o alcance da igualdade: nossa participação efetiva; as mudanças dentro do corpo burocrático do Estado não modificam a estrutura.

As classes média e alta - tão confortavelmente situadas na pirâmide social - terão que fazer mais do que reclamar (o que só serve mesmo para aliviar nossa culpa)... Mas estão elas preparadas para isso?

Eu acredito profundamente que só uma revolução estrutural, feita de dentro pra fora e que não exclua nada nem ninguém de seus efeitos, possa acabar com a pobreza e desigualdade no Brasil.

Afinal, de que serve um governo que não administra? De que serve uma mãe que não afaga? E, finalmente, de que serve um Homem que não se posiciona?

Talvez o sentido de nossa própria existência esteja ligado, justamente, a um posicionamento perante o mundo como um todo. Sem egoísmo. Cada um por todos.

Algumas perguntas, quando auto-indagadas, se tornam elucidativas.

Pergunte-se: quero ser pobre no Brasil? Filho de uma mãe gentil ou de uma madrasta vil? Ser tratado como cidadão ou excluído? Como gente... Ou como bicho? "

Premiada pela UNESCO, Clarice Zeitel, de 26 anos, estudante, que termina a faculdade de direito da UFRJ em julho, concorreu com outros 50 mil estudantes universitários.
Ela acaba de voltar de Paris, onde recebeu um prêmio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO,) por uma redação sobre 'Como vencer a pobreza e a desigualdade'

terça-feira, 31 de maio de 2011

AFS Intercultura dá intercâmbio a aluno da rede pública



O AFS Intercultura Brasil abriu inscrições para bolsas de intercâmbio para alunos de escolas públicas. Ao todo, onze estudantes serão contemplados para uma temporada de estudos em países como México, Hungria, República Tcheca, Panamá, Turquia, Eslováquia, Tailândia, Costa Rica, República Dominicana, Argentina e Hong Kong. A iniciativa é destinada a alunos de ensino médio, com idades entre 14 e 17 anos, com bom desempenho escolar e com renda familiar comprovada de até quatro salários mínimos. A bolsa corresponde a um ano letivo, com embarque previsto em 2012.
Além da mensalidade escolar, a iniciativa inclui suporte 24h durante o intercâmbio, passagem internacional de ida e de volta, hospedagem e alimentação em casa de família voluntária, seguro saúde com cobertura de até US$ 1 milhão, transporte e material escolar. Os interessados devem fazer a sua inscrição no site www.afsbolsas.org.br. O AFS Intercultura Brasil é uma instituição não-governamental, sem fins lucrativos, que conta com mais de 1.000 voluntários ativos em todo o País.

Por Equipe AE | Agência Estado.

domingo, 15 de maio de 2011

Professores e Povo unidos jamais serão vencidos.



CNTE convoca paralisação de professores para esta quarta-feira; categoria reivindica PNE Piso Salarial. Mês de Maio em Brasília, 2011.

Educação e Saude deveriam ser prioridades para qualquer governo decente. Isso não acontece,infelizmente, no nosso pais Brasil.
Deveríamos, unidos, lutar em prol de melhores condições para que esse Bem acontecesse.

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Auto-flagelação.


Meus amigos:

Embora não nos seja possível, por enquanto, apreciar convosco a fisiologia da alma, como seria desejável, de modo a imprimir ampla clareza ao nosso estudo, para breve comentário, em torno da flagelação que muitas vezes impomos, inadvertidamente, a nós mesmos, imaginemos o corpo terrestre como sendo a máquina da vida humana, através da qual a mente se manifesta, valendo-se de três dínamos geradores, com funções específicas, não obstante extremamente ligados entre si por fios e condutos, de variada natureza.

O ventre é o dínamo inferior.
O tórax é o dínamo intermediário.
O cerebelo é o dínamo superior.

O primeiro recolhe os elementos que lhe são fornecidos pelo meio externo, expresso na alimentação usual, e fabrica uma pasta aquosa, adequada à sustentação do organismo.
O segundo recebe esse material e, combinando-o com os recursos nutritivos do ar atmosférico, transmuta-o em líquido dinâmico.
O terceiro apropia-se desse líquido, gerando correntes de energia incessante.
No dínamo-ventre, detemos a produção do quilo.
No dínamo-tórax, presenciamos a metamorfose do quilo em glóbulo sanguíneo.
No dínamo-cerebelo, reparamos a transubstanciação do glóbulo sanguíneo em fluido nervoso.
Na parte superior da região cerebral, temos o córtex encefálico, representando a sede do espírito, algo semelhante a uma cabine de controle, ou a uma secretária simbólica, em que o <> coordena as suas decisões e produz a energia mental com que governa os dínamos geradores a que nos reportamos.
O ser humano, desse modo, em sua expressão fisiológica, considerado superficialmente, pode ser comparado a uma usina inteligente, operando no campo da vida, em câmbio de emissão e recepção.
Concentramos, assim, força mental em ação contínua e despendemo-la nos mínimos atos da existência, através dos múltiplos fenômenos da atenção com que assimilamos as nossas experiências diuturnas, atuando sobre as criaturas e coisas que nos cercam e sendo por elas constantemente influenciados.
Toda vez, contudo, em que nos tresmalhamos na cólera ou na crueldade, contrariando os dispositivos da Lei de Deus, que é amor, exteriorizamos correntes de enfermidade e de morte, que, atingindo ou não o alvo de nossa intemperança, se voltam fatalmente contra nós, pelo princípio inelutável da atração que podemos observar no imã comum.

Em nossas crises de revolta e desesperação, de maledicência e leviandade, provocamos sobre nós verdadeira tempestade magnética que nos desorganiza o veículo de manifestação, seja nos círculos espirituais em que nos encontramos, ou, na Terra, enquanto envergamos o envoltório de matéria densa, sobre a qual os efeitos de nossas agressões mentais, verbais ou físicas, assumem o caráter de variadas moléstias, segundo o ponto vulnerável de nossa usina orgânica, mas particularmente sobre o mundo cerebral em que as vibrações desvairadas de nossa impulsividade mal dirigida criam doenças neuropsíquicas, de diagnose complexa, desde a cefalagia à meningite e desde a melancolia corriqueira à loucura inabordável.

Toda violência praticada por nós, contra os outros, significa dilaceração em nós mesmos.

Guardemo-nos, assim, na humildade e na tolerância, cumprindo nossos deveres para com o próximo e para com as nossas próprias almas, porque o julgamento essencial daqueles que nos cercam, em verdade, não nos pertence.

Desempenhando pacificamente as nossas obrigações, evitaremos as deploráveis ocorrências da autoflagelação, em que quase sempre nos submergimos nas trevas do suicídio indireto, com graves compromissos.

Preservando-nos, pois, contra semelhante calamidade, não nos esqueçamos da advertência de nosso Divino Mestre no versículo 41, do capítulo 26, das anotações do apóstolo Mateus: - "Orai e vigiai, para não entrardes em tentação.

Dias da Cruz

quarta-feira, 6 de abril de 2011

VENENO LIVRE.


Irmão X
Francisco Cândido Xavier

Pede você que os Espíritos desencarnados se manifestem sobre o álcool, sobre os arrasamentos do álcool.
Muito difícil, entretanto, enfileirar palavras e definir-lhe a influência.
Basta lembrar que a cobra, nossa velha conhecida, cujo bote comumente não alcança mais que uma só pessoa, é combatida a vara de ferro, porrete, pedra, armadilha, borralho, água fervente e boca de fogo, vigiada de perto pela gritaria dos meninos, pela cautela das donas de casa e pela defesa do serviço municipal, mas o álcool, que destrói milhares de criaturas, é veneno livre, onde quer que vá, e, em muitos casos, quando se fantasia de champanha ou de uísque, chega a ser convidado de honra, consagrando eventos sociais.
Escorrega na goela de ministros com a mesma sem-cerimônia com que desliza na garganta dos malandros encarapitados na rua. Endoidece artistas notáveis, desfibra o caráter de abnegados pais de família, favorece doenças e engrossa a estatística dos manicômios; no entanto, diga isso num banquete de luxo e tudo indica que você, a conselho dos amigos mais generosos, será conduzido ao psiquiatra, se não for parar no hospício.
Ninguém precisa escrever sobre a aguardente, tenha ela o nome de vodca ou suco de cana, rum ou conhaque, de vez que as crônicas vivas, escritas por ela mesma, estão nos próprios consumidores, largados à bebedeira, nos crimes que a imprensa recama de sensacionalismo, nos ataques da violência e nos lares destruídos.
E se comentaristas de semelhantes demolições devem ser chamados à mesa redonda da opinião pública, é indispensável sejam trazidos à fala as vítimas de espancamento no recinto doméstico, os homens e as mulheres de vida respeitável que viram a loucura aparecer de chofre no ânimo de familiares queridos, as crianças transidas de horror ante o desvario de tutores inconscientes e, sobretudo, os médicos encarnecidos no duro ofício de aliviar os sofrimentos humanos.

Qual! Não acredite que nós, pobres inteligências desencarnadas, possamos grafar com mais vigor os efeitos da calamidade terrível que escorre, de copinho a copinho.
É por isso talvez que as tragédias do alcoolismo são, quase sempre, tratadas a estilete de sarcasmo. E creia você que a ironia vem de longe.

Consta do folclore israelita, numa história popular, fartamente anotada em vários países por diversos autores, que Noé, o patriarca, depois do grande dilúvio, rematava aprestos para lançar à terra ainda molhada a primeira vinha, quando lhe apareceu o Espírito das Trevas, perguntando, insolente:
- Que desejas levantar, agora?
- Uma vinha - respondeu o ancião, sereno.
O sinistro visitante indagou quanto aos frutos esperados da plantação.
- Sim - esclareceu o bondoso velho -, serão frutos doces e capitosos. As criaturas poderão deliciar-se com eles, em qualquer tempo, depois de colhidos. Além disso, fornecerão milagroso caldo que se transformará facilmente em vinho, saboroso elixir capaz de adormecê-las em suaves delírios de felicidade e repouso...
- Exijo sociedade nessa lavoura! - gritou Satanás, arrogante. Noé, submisso, concordou sem restrições e o Gênio do Mal encarregou-se de regar a terra e adubá-la, para o justo cultivo. Logo após, com a intenção de exaltar a crueldade, o parceiro maligno retirou quatro animais da arca enorme e passou a fazer adubagem e a rega com a saliva do bode, com o sangue do leão, com a gordura do porco e com excremento do macaco.
À vista disso, quantos se entregam ao vício da embriaguez apresentam os trejeitos e os berros sádicos do bode ou a agressividade do leão, quando não caem na estupidez do porco ou na momice dos macacos.

Esta é a lenda; entretanto, nós, meu amigo, integrados no conhecimento da reencarnação, estamos cientes de que o álcool, intoxicando temporariamente o corpo espiritual, arroja a mente humana em primitivos estados vibratórios, detendo-a, de maneira anormal, na condição de qualquer bicho.

(Do livro "Cartas e Crônicas", pelo Espírito Irmão X, Francisco Cândido Xavier

segunda-feira, 4 de abril de 2011

A FAVORITA.



Autoria: Fátima Irene Pinto -

O amor que sentes é fugaz feito fumaça,
Fluido como água que me vaza pelos dedos.
É qual vapor que some aos poucos da vidraça,
E triste... como a maioria dos meus medos.

O amor que sentes não é bênção nem desgraça,
Talvez as duas coisas ... devo admitir,
Porque destrói com o poder de muitas traças,
E me segura, já que insisto em te servir.

Se tão fugaz se mostra assim o teu amor,
Por que então não te abandono de repente,
Decidida! Sem nem mesmo olhar pra trás?

Pois eu tenho cá comigo, meu senhor,
Que serei a tua dileta para sempre,
Que serei a favorita entre as demais.

(Soneto - Página 110 do livro Ecos da Alma)

segunda-feira, 28 de março de 2011

Timbolão


Casimiro Cunha
(Francisco Cândido Xavier)

Meus filhos, quem faz o mal... Tem o mal como lição.
Vejamos o triste caso do pequeno Timbolão,
apesar de bem crescido, forte alegre e bonitão,
era peralta e travesso o menino Timbolão:

Saiu expulso da escola, enchendo a mamãe de amargor,
atirou cinco bombas na mesa do professor.
Junto à casa dos vizinhos fazia sempre arruaças,
pondo fogo no jardim e apedrejando as vidraças.

Abria malas e cofres manejando a velha pua
e até fincava alfinetes nas mãos dos cegos na rua
Dona Custódia a mãezinha falava-lhe sempre assim:
- Ah! meu filho, seja bom, tenha piedade de mim.

Mas o menino teimoso pouco ligava aos conselhos,
depois de ouvir a mãezinha quebrava copos e espelhos.
Um dia fez uma cobra toda de arame e papel
tentando dar uma queda na pobre dona Isabel.

Mais tarde pôs na cozinha grande casca de banana
tentando dar outra queda na lavadeira Donana.
Mas o pequeno esqueceu, e foi no tanque brincar,
escorregou de repente num tombo espetacular.

Aos gritos de toda a casa no barulho da aflição,
lá se vai escada abaixo o travesso Timbolão.
Dona Custódia chorando, chega de passo cansado,
Timbolão mais parecia um boneco ensangüentado.

Para limpar o nariz, trouxeram enorme fronha,
o sangue corria em bica, a queda fora medonha.
Gritava e chorava tanto, e parecia tão mal,
que foi conduzido à pressa para o leito do hospital.

O médico examinou demonstrando inquietação,
depois falou muito aflito, coitado do Timbolão.
Ele partira dois dentes, estava com a testa inchada
e tinha a perna direita toda ferida e quebrada.

Envolvido em atadura, de olhar triste e cara fina,
começou tomando soro e muita penicilina.
Mas a perna piorava, e era tanta a inflamação,
que o doutor sem mais demora, pediu a operação.

Timbolão atado à mesa, gemia desesperado,
mas lembrando, sempre, sempre, que ele mesmo era o culpado.
Terminado o tratamento, parecia novo em tudo,
e abraçava a mãezinha com grande atenção no estudo.

Infelizmente o menino, por haver sido tão mau,
agora estava bonzinho, mas ficou com perna de pau.


--------------------------------------------------------------------------------

Não existe efeito, sem causa.
Se tudo isso aconteceu a Timbolão, foi por motivo de seu comportamento e desatenção aos conselhos...

quinta-feira, 17 de março de 2011

VÍTIMAS DE TERREMOTO E TSUNAMI NO JAPÃO DÃO LIÇÃO DE PACIÊNCIA E EDUCAÇÃO MESMO EM SITUAÇÃO-LIMITE


SENDAI, Japão – Num abrigo improvisado tomado por famílias japonesas com crianças pequenas, todos vivendo o que consideram ser os momentos mais difíceis de suas vidas, a mãe de duas meninas faz uma reverência para a jornalista estrangeira que a aborda e responde gentilmente: “Sim, posso dar entrevista. Muito prazer em conhecê-la”. A moça conta sua história – seu prédio está ameaçado de desabamento, e ela não pode voltar – com um semblante cansado, mas de um jeito contido. Está sem perspectivas, mas não pede ajuda de quem ainda tem água, comida e combustível – três itens que valem ouro no nordeste do Japão – nem diz palavras que possam soar como um protesto contra as autoridades ou um lamento contra seu destino. Os japoneses estão sofrendo muito, a situação é dramática em algumas áreas, mas é impressionante a maneira ordeira como se comportam no pior dos momentos.

Em dois dias, o GLOBO percorreu 1.200 quilômetros de carro pelo interior do país, saindo de Tóquio em direção à Sendai. Filas em postos de gasolina, supermercados e lojas de conveniência são agora a principal paisagem da província de Miyagi, que contabiliza o maior número de mortos. Mas são exatamente isso: filas, e não tumultos. É uma sociedade acostumada a seguir regras, mesmo quando o que mais temem – imprevistos – acontece. Há engarrafamentos em alguns pontos das estradas, mas tentar escapar pelo acostamento, por exemplo, é uma cena impensável.

Gente que já não tem para onde voltar espera nos abrigos improvisados as próximas ordens – em silêncio. Alguns compartilham suas experiências, mas nada tem a marca do exagero. Falam baixo e pausadamente, sem atropelos. É uma das muitas regras do rígido e organizado país que, não se pode esquecer, é um arquipélago: o coletivo é mais importante que o individual, e não se destacar – ser igual – é uma virtude. É uma filosofia que custa caro para quem quer ser exatamente o oposto – ser diferente – mas em momentos como esse, de tragédia nacional, o resultado é exemplar.

Depois de conversar com a mãe das meninas, uma faxineira que ajudara a salvar os vizinhos de seu apartamento, arrombando uma porta de emergência que travara após o terremoto, a equipe de reportagem do GLOBO deixa o abrigo e tenta avançar em direção ao litoral. No meio do caminho, um problema é constatado: a carteira com cartões de crédito e mais de US$ 700 ficara para trás, num momento de desatenção. Os japoneses gostam de receber o cartão de visita das pessoas com quem falam e, na pressa para vasculhar a bolsa em busca dessa identificação, provavelmente a carteira caíra. A primeira reação de uma brasileira é dizer que nem adiantava voltar, era melhor cancelar os cartões e dar o dinheiro como perdido. O japonês que dirigia o carro do GLOBO, o fotógrafo Suzuki Kantaro, se espantou e avisou:

- Vamos voltar e a carteira estará lá. Não existe outra possibilidade.

Voltamos. E a carteira estava lá. Havia sido achada e entregue, intacta, para os funcionários da escola transformada em abrigo, um lugar onde as pessoas já não têm quase nada, mas davam uma tremenda lição de dignidade e correção.